quarta-feira, 21 de fevereiro de 2007

11 de Setembro: o pretexto para a guerra contra o terrorismo

A GUERRA CONTRA O TERRORISMO
E O PERIGO DOS FALCÕES IRADOS


José Manuel Correia


Passada mais de uma semana sobre o atentado terrorista contra o World Trade Center e o Pentágono, a reacção histérica continua num crescendo. Editorialistas, comentadores encartados, políticos e militares, cada um à sua maneira, parecem disputar a ferocidade da retaliação vingadora. Os nossos, como são pequenos e insignificantes, para serem notados colocam-se em bicos de pés e carregam na vozearia, atingindo o ridículo. Com a leviandade e a irresponsabilidade dos tolos, erigem como lema a justiça de Talião — olho por olho, dente por dente — esquecendo que um tal caminho acabará por deixar-nos a todos cegos e desdentados.

Com arrogância totalitária e a certeza da impunidade, já se disse de tudo para caracterizar os ignominiosos actos terroristas, para anatemizar o Islão e para calar os cépticos. Acto de guerra contra a América, ataque ao capitalismo, à civilização ocidental e ao "mundo livre"; fundamentalismo islâmico, a encarnação do mal e inimigo da civilização cristã e ocidental; cépticos e contestatários da globalização, apoiantes sinistros do terrorismo internacional. Alguns, mais desbragados, chegaram ao despudor de afirmarem que tomariam nota dos nomes dos que não afinassem pelo seu diapasão, enquanto outros, aparentemente mais comedidos, bradando contra a indiferença exigem tão só o apoio incondicional ao coro da vingança.

E, afinal, de que falam eles? Dum ignominioso atentado terrorista que vitimou milhares de inocentes cidadãos anónimos, é disso que eles falam? Não! Ao que se referem primordialmente é a um ataque à América, não tanto a um ataque terrorista, mas a um acto de guerra (qual Pearl Harbor II), como preferem qualificar o evento. O que os choca, essencialmente, é o terror gratuito que irracionalmente ceifou milhares de vidas? Não! Lamentam, é certo, as vítimas, mas o que lhes cala fundo é a surpresa, a espectacularidade, a incredulidade e a inadmissibilidade de um acto que atingiu os símbolos do poderio económico e político dos EUA, a maior potência económica, política e militar. Por isso, o que os preocupa não é a justiça devida às vítimas, mas os efeitos na economia, nos negócios, no orgulho nacionalista e no poder mundial dos EUA, e o que eles clamam é por vingança para salvar a face e repor a autoridade da grande potência ultrajada no seu próprio território.

Mal refeito do susto que o levou a esconder-se temporariamente e já o cow-boy evangélico que ocupa a presidência dos EUA jurava vingança contra os autores, os instigadores e os países que os albergassem. Identificado um suspeito, mesmo que seja apenas o suspeito do costume, aquele mesmo e todos os falcões não mais falaram na captura e julgamento do presumível criminoso e seus campangas, mas na retaliação com a guerra contra o pobre povo afegão. Para que um bando de terroristas não fique impune, muitas mais vítimas inocentes pagarão com a vida a humilhação da honra infligida à grande potência. Enquanto as vítimas que se salvaram, e as famílias das que pereceram, oferecem a magnanimidade da clemência e do perdão, os falcões furibundos só pensam em aplacar a ira, à falta de símbolos semelhando os seus, no sangue de outros inocentes.

Para legitimarem o crime que preparam, os falcões militaristas e o cortejo dos seus seguidores trataram de fazer propalar o discurso maniqueísta. Afinal, aqueles inocentes não são tão inocentes assim: são islamitas fundamentalistas, fanáticos, odientos, terroristas potenciais e, portanto, inimigos da América, da civilização ocidental e do "mundo livre". Parece inverosímil que discursos lembrando histórias infantis em que o bem e o mal se apresentam com cristalina limpidez sirvam para embalar adultos que é suposto terem um pouco mais de maturidade. Os fundamentalismos religiosos propendem para o fanatismo, para a intolerância, para o ódio e para actos tresloucados, sejam eles o suplício, o martírio, a violência ou o terror. Qual religião, sagrada ou profana, do cristianismo ao budismo, não tem fundamentalistas e, entre eles, mártires ou terroristas? Os exemplos são tantos que é escusado enumerá-los. Mas devem os crentes no Islão ser culpabilizados pelos actos dos seus fanáticos?

O que torna o fundamentalismo islâmico um caso singular no ódio aos EUA não é qualquer sentimento de cruzada contra os infiéis, contra a civilização ocidental ou o "mundo livre". Raciocínios tão redutores não resistem à simples lógica. A liberdade religiosa e uma invejável multiculturalidade não fazem dos EUA campeões de qualquer fé com quem o fundamentalismo islâmico devesse travar combate. Expoente máximo da civilização ocidental e do "mundo livre", travestis semânticos por que os ideólogos e propagandistas designam o capitalismo, isso são-no mais notoriamente desde o meado do século passado, mas o fundamentalismo islâmico, apesar das aspirações ao controlo totalitário da vida social e política, traduzidas em múltiplos regimes ditatoriais e despóticos, não é anti-capitalista. O fundamentalismo foi sempre anti-comunista, e regimes por ele suportados ou tolerados são, ou foram em diferentes épocas, aliados dos EUA. E, ironia das ironias, alguns dos actuais terroristas até foram treinados pelo exército ou pelos serviços secretos americanos.

Sentimentos anti-americanos e de ódio, por outro lado, não são apanágio apenas dos islamitas fundamentalistas, mas estendem-se a muitos outros islamitas, mais notoriamente aos islamitas árabes ou arabizados. Eventualmente, esses sentimentos não são originados apenas pela solidariedade para com os seus irmãos palestinianos perante a política de agressão e de expulsão de parte da sua terra e dos seus lugares de culto levada a cabo por Israel, e pelo apoio incondicional prestado pelos EUA aos israelitas dando-lhes cobertura, embora se tenham acentuado nos períodos de maior agressividade e aquele apoio constitua seguramente um dos seus fundamentos. E se os sentimentos de ódio se estendem à generalidade do povo, os actos de sabotagem e de terrorismo perpetrados contra interesses ou cidadãos americanos, pelos meios envolvidos denotam não serem organizados pelas camadas pobres do povo. Quem está por detrás do terrorismo anti-americano, portanto, são fracções das classes dominantes de diferentes países árabes, que se apoiam na adesão popular, é certo, mas que o usam para disputarem ou tentarem assegurar o poder.

Por que lutam as diferentes fracções das classes dominantes árabes? Pelo poder, naturalmente. Por aquelas paragens agrestes e áridas, de fraco desenvolvimento industrial, o petróleo é a fonte da riqueza e o poder é a fonte do petróleo, e os EUA são quem controla económica, política e militarmente a sua produção. Quem poderia ser o inimigo se não eles? E como tornar evidente para todos um inimigo que só o é para alguns? Nada melhor do que identificar com a obra do demónio o estilo de vida cosmopolita, o desenvolvimento económico, a libertinagem dos costumes, o consumismo, a emancipação feminina, a liberdade, e fazer incorporar Satã nos EUA, desafiadores de Alá afrontando-o pela presença nos lugares sagrados, pioneiros e expoentes da modernidade que Maomé não previu, o Corão desconhece e os novos talibãs condenam.

O ouro negro, enquanto combustível estratégico com elevado impacto nos custos de produção da economia capitalista e por isso fonte de incomensurável riqueza, e o papel dos EUA enquanto potência económica e militar dominante na região arábica, constituirão os verdadeiros fundamentos do terrorismo anti-americano ou serão mais verosímeis os irreais choques de civilizações do Huntington, o novo profeta da geo-estratégia? E a direita israelita não terá uma réstia de interesse na provocação terrorista, forçando à intervenção americana na zona para eliminar mais um foco do fundamentalismo islâmico? Em qualquer caso, o nome de Deus parece poder ser evocado apenas para confortar os pobres de espírito.

Tal como os falcões, em momentos de emoção também as pombas não primam pela lucidez, tal a vertigem dos lances. Velhos e novos arautos de velhas e novas profecias redentoras dos pecados da humanidade, ao maniqueísmo em que se funda o desejo da vingança bélica reparadora do ultraje opõem o maniqueísmo da vingança dos pobres, dos deserdados e dos explorados contra o causador da desdita. Também eles lamentam as vítimas, mas não deixam de sugerir nas entrelinhas que quem semeia ventos colhe tempestades; que comparados com Hamburgo, Dresden, Hiroshima, Nagasaki, Bagdade ou Belgrado pouco mais de trezentos andares e uns poucos milhares de vítimas são uma brincadeira empolada pela transmissão televisiva em directo.

Afirmam aos quatro ventos que a potência imperialista é a causadora do capitalismo iníquo e o comandante do saque globalizado, quando são as próprias raízes do capitalismo, inventadas sem direitos de autoria, que os produzem, tal como produzem como reverso a liberdade, a inovação e o progresso material e social de que vamos usufruindo. Confundem troca desigual entre capitalistas com troca desigual entre o capital e o trabalho, e não compreendem que é a rebeldia da reivindicação que pode pressionar a transformação de ambas. Sensíveis às grandes causas externas, esquecem as pequenas causas internas, afinal, as que tudo decidem. Murmuram em surdina que o horror e a irracionalidade da guerra, pelas dimensões incomensuráveis, são bem mais nefastos do que o terror gratuito, o temor pelo horror; e que as guerras provocadas pela potência imperialista têm produzido dramas bem maiores.

A guerra, com o horror que provoca, não visa atemorizar, mas aniquilar, derrotar ou fazer capitular o inimigo; são os povos que sofrem os seus nefastos efeitos, mas são as classes dominantes que dela tiram benefícios; apesar da banalização com que vem sendo usada, é suposto ser o instrumento de coacção extremo, recurso para o falhanço dos compromissos que a diplomacia intenta; e para minorar a destruição e o sofrimento, obedece a regras quanto à notificação do inimigo, aos meios usados e aos alvos a atingir, ainda que desde a guerra civil de Espanha tudo isto vá sendo jogado um pouco às urtigas e se assista a guerras não declaradas, ao uso de meios proibidos pelas convenções internacionais e os alvos a atingir não se restrinjam às tropas e aos equipamentos militares e se estendam às populações civis, às instituições humanitárias e aos meios de produção e de comunicação.

Quando na guerra o inimigo é diabolizado e os contendores estão imbuídos de ódios até então insuspeitos, o terror, seja pela destruição gratuita, seja pela aniquilação de populações indefesas, é facilmente transformado em meio legítimo, porque se passou a considerar a atemorização um instrumento importante de destruição da capacidade emocional do inimigo com efeitos relevantes na sua operacionalidade ofensiva ou defensiva. Tudo isto faz da guerra um meio irracional para obter vantagens ou reparações territoriais, económicas ou políticas, mesmo quando os factores imediatos que a desencadeiam pareçam não ter nenhuma ligação com elas. Porque escapa à capacidade de decisão dos cidadãos até nas democracias mais representativas, a guerra é a irracionalidade em que todos nos vemos envolvidos, os de um e do outro lado, mesmo dela discordando, e na qual todos acabamos culpados.

O terrorismo, por seu lado, podendo ter os mesmos objectivos da guerra não obedece a qualquer das suas regras. Também não se pode confundir com as acções de sabotagem, nem com o assassinato político ou outras acções sujas, perpetradas pelos serviços secretos ou pelas chamadas forças de operações especiais, levados a cabo durante a guerra, porque não se trata de guerra (o confronto não envolve forças armadas regulares ou grupos de guerrilheiros). Os terroristas — indivíduos ou grupos — agem ou organizam-se de forma secreta, mesmo quando posteriormente se identificam para reivindicarem os atentados, e usam o terror como instrumento primordial, dado que procuram alcançar os seus objectivos pelo temor incutido nas populações e pela pressão que estas possam depois exercer sobre os poderes constituídos. Trata-se, pois, de um meio de luta abjecto, que toma como alvo cidadãos inocentes indiscriminadamente, que ataca sem declaração de hostilidades e sem olhar a meios, procurando maximizar o horror para sustentar o medo, o sobressalto e a desorganização da vida social. O terrorismo, portanto, tem culpados de um só lado, não há como repartir culpas, as vítimas não são comparáveis aos algozes! Não há nobreza de objectivos que justifique tão cobarde e abjecto método de luta.

Por muito sofisticada que seja a organização terrorista, a luta anti-terrorista, porque visa a segurança dos cidadãos, é caso de polícia, que os tribunais devem julgar para efectivar a justiça. Não se pode responder ao terrorismo com o terrorismo, muito menos com a guerra, por muito dramáticos que sejam os atentados e avultados, morosos e diversificados que sejam os meios necessários para a luta anti-terrorista. Também não se pode confundir luta anti-terrorista com qualquer psicose securitária que conduza ao cerceamento das liberdades cívicas ou à instauração de um clima de intolerância e de suspeição mútuas. Os políticos têm de ser mais prudentes e sensatos; os ideólogos e propagandistas têm de passar a ter mais cuidado com as equiparações levianas que têm vindo a fazer entre reivindicação e protesto organizado e o que designam por "terrorismo de baixa intensidade", como tem acontecido a propósito das manifestações anti-globalização; e os cidadãos devem redobrar de cautelas.

No caso concreto dos atentados terroristas contra bens e cidadãos norte-americanos, a vingança para lavagem da honra ultrajada — seja por acções desencadeadas unilateralmente, quer envolva uma ampla coligação ou até o patrocínio da ONU — não pode substituir-se à justiça devida como reparação às vítimas. A magnanimidade da clemência que os sobreviventes já manifestaram não deve fazer-nos vacilar, mas, se nos aconselha a firmeza, exige-nos a sensatez, a prudência e a equidade. A vingança pode não produzir apenas uma mão cheia de novas vítimas inocentes, mas uma catástrofe humanitária de grandes dimensões, qual oferenda em sacrifício para aplacar a ira dos falcões. Se assim acontecer, dela seremos todos culpados.

Almada, 20 de Setembro de 2001.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial